sexta-feira, 19 de outubro de 2012

“Origem e evolução da Pedagogia Social ”.

“Origem e evolução da Pedagogia Social ”.

A Pedagogia Social apresenta-se,  para os diferentes autores, como uma ciência que permite a criação de conhecimentos, como uma disciplina que possibilita sistematização, reorganização e transmissão de conhecimentos e como uma profissão com dimensão prática, com acções orientadas e intencionais.
A Pedagogia Social é uma ciência da educação social, dirigida a indivíduos e grupos e na qual se centraliza nos problemas humanos e sociais, na qual podem ser tratados a partir de empenho educativo, é uma ciência do trabalho social a partir duma perspectiva educativa.
A Pedagogia Social surgiu para Pérez Serrano (2003), na Alemanha.
A Pedagogia Social surgiu depois da revolução industrial, em França, e é entre as duas grandes Guerras, devido á necessidade de intervir junto de uma população mais jovem e com problemas sociais, que se anuncia o aparecimento da Pedagogia Social.
A Pedagogia Social como uma das áreas no campo, do Trabalho Social, envolve-se numa serie de especialidades como por exemplo, atenção à infância com problemas (abandono, ambiente familiar desestruturado...); prevenção e tratamento das toxicomanias e do alcoolismo; prevenção da delinqüência juvenil. (reeducação dos dissocializados); educação de adultos, entre outros.

A Pedagogia Social é uma ciência da educação social, dirigida a indivíduos e grupos, na qual se centraliza nos problemas humanos e sociais e na qual podem ser tratados a partir de empenho educativo, é uma ciência do trabalho social a partir duma perspectiva educativa.
Começou por ser um ramo da Pedagogia geral, mas com o decorrer dos anos, ganhou um grau de diferenciação em virtude quer das metodologias quer dos novos contextos.
A Pedagogia Social passa assim pela intervenção que se faz em situações normalizadas de necessidade ou anomia sobre os indivíduos.
O conceito mais generalizado para Pedagogia Social compreende uma ciência da educação social das pessoas e grupo se, uma ciência do trabalho social a partir duma perspectiva educativa.

Pedagogia Social surgiu para Pérez Serrano (2003), na Alemanha.
Entre outros, as origens pedagógicas estão em Pestalozzi e Fröebel, mas é a situação social europeia que lhe abre caminho.

Surgiu depois da revolução industrial, dai a necessidade de encontrar resposta para os novos problemas sociais que dai resultaram, como o desemprego, os acidentes de trabalho, isto em França.
Mas é entre as duas grandes Guerras, devido á necessidade de intervir junto de uma população mais jovem e com problemas sociais, que se anuncia o aparecimento da Pedagogia Social, isto na Alemanha.
Onde? (Qual o contexto científico, histórico, social,..)
A Pedagogia Social surgiu depois da revolução industrial, em França, e é entre as duas grandes Guerras, devido á necessidade de intervir junto de uma população mais jovem e com problemas sociais, que se anuncia o aparecimento da Pedagogia Social, isto na Alemanha.
No contexto histórico da evolução da Pedagogia Social, surge o primeiro período, isto entre 1898 e 1919.
Natorp (1854-1920), teoria idealista (Kant e Hegel) que situa o objecto da Pedagogia Social no colectivo por oposição ao tradicional individualismo de Locke e Rousseau, o homem individual é uma abstracção.
Acreditavam que muitos dos males da Alemanha eram devidos ao individualismo e assim a Pedagogia Social surge como um instrumento de restauração do país.
Logo a necessidade de ter em conta conceitos chaves como:
Comunidade em que o homem não vive isolado e toda a intervenção educativa realiza-se na comunidade. Esta é uma unidade vital e só através dela o indivíduo se torna pessoa. A comunidade é entendida como um ideal porque só se alcança quando cada um se preocupar com todos e todos com cada um.
Vontade, é aquilo que conduz o homem de um estado primitivo a um membro da comunidade. Querer é a consciência da própria volição face aos outros. «Querer é ser».
Educação, é educar a vontade, dela depende a educação estética, política, intelectual, A educação é uma questão do «dever ser».
Relação do indivíduo com a comunidade, todo o conteúdo da educação humana é em si mesma comunitário. Esta faz-se na família, na escola, na comunidade. A própria comunidade só sobrevive através da educação.
Pedagogia Social em Paul Natorp, foi o primeiro a tentar definir uma teoria sobre a educação social, pelo que Pedagogia Social é igual ao saber prático mais o saber teórico.
O segundo período, (1913 – 1933), coincide com a pedagogia da reforma, o incremento dos problemas sociais derivados da I Guerra Mundial (desemprego, delinquência, falta de protecção social, …) contribui para o nascimento de um movimento pedagógico social. Assim, nos anos 20 (Alemanha), outra linha, a Teoria da Acção Educativa sobre Problemas Humano Sociais, centralizada nos problemas sociais (crianças maltratadas, pré e delinquentes, idosos,..) que associada a uma engenharia da promoção social, a um critério educativo e a um corpus teórico dá lugar a uma Pedagogia Social científica.
É um período marcado pelo apoio às instituições sociopedagógicas (1906) educação assistencial geral (Estado e Igreja), direito de Bem-Estar da Juventude (1922).
Surgem as residências para a infância, juventude e assistência penitenciária, bem como a formação dos operários.
O aumento de carências e necessidades motivam a Pedagogia de H. Nhol, promovendo a prevenção e profilaxia dos problemas sociais.
É a sua discípula, Baümer, que institucionaliza esta concepção.
O terceiro período entre 1933 e 1949, corresponde à fase do nacional-socialismo de Hitler, logo há uma estagnação na evolução desta disciplina, imprimindo-lhe apenas um cunho político e ideológico.
Para Krieck a comunidade é um organismo com vida própria independente dos indivíduos e a educação deve basear-se na raça.
A pedagogia social está orientada para uma formação nacionalista de carácter racial e para uma visão do mundo de sentido único.
O quarto período, a partir de 1949, tem como principais características, uma situação concreta histórico-culturalmente definida, é auto-crítica e usa a reflexão como modo de valoração da prática, é dialéctica (privilegia o modelo ecológico), parte assim de pressupostos emancipa tórios, daí que a investigação seja a sua metodologia, deve ultrapassar os aspectos sociais que obstaculizam a evolução, une a teoria à prática de forma dialéctica e é comunitária e consensual.

As principais características da Pedagogia Social são, uma ciência pedagógica, de carácter teórico-prático, que se refere à socialização do sujeito, tanto a partir de uma perspectiva normalizada como de situações especiais (inadaptação social), assim como aos aspectos educativos do trabalho social. Implica o conhecimento e a acção sobre os seres humanos, em situação normalizada como em situação de conflito ou necessidade.
A partir de uma vertente educativa, às necessidades humanas que convocam o trabalho social, assim como ao estudo da inadaptação social.
O indivíduo socializa-se dentro e fora da instituição escolar e, por isso, a educação social deve efectuar-se em todos os contextos nos quais se desenvolve a vida do ser humano. Nesse sentido, não pode definir-se exclusivamente por ocupar o espaço não escolar, o que implicaria uma redução da mesma.

A Pedagogia Social evoluiu, depois da revolução industrial, como consequência da necessidade de encontrar resposta para os problemas sociais novos que daí resultaram (desemprego, acidentes de trabalho, …), em França, e sobretudo, entre as duas grandes Guerras, na Alemanha, devido à necessidade de intervir junto de uma população jovem com problemas sociais.
As origens pedagógicas estão em Pestalozzi e Fröebel, mas é a situação social europeia que lhe abre caminho.
Karl F.Magers (1844) - Revista Pedagógica alemã, utilizou este termo pela primeira vez, em oposição a Pedagogia Individual e, como alternativa à Pedagogia Colectiva.
Mas é Diesterweg (1850) quem precisa a definição do conceito. A Pedagogia Social preconiza o desenvolvimento das pessoas no sentido de ajudar o próximo - trata-se de uma acção educativa dirigida aos desfavorecidos da sociedade.

É possível identificar quatro tendências teóricas a nível das características actuais da Pedagogia Social:
Teorias críticas da Pedagogia Social;
Pedagogia social entendida como ajuda à juventude, é a sociedade que provoca situações de carência e inadaptação nos jovens;
Pedagogia Social como trabalho juvenil anti-capitalista (esquerda socialista de 1968);
Pedagogia como higiene social (ajuda às dificuldades de aprendizagem escolar);
Pedagogia Social como trabalho social crítico do Círculo do Trabalho (teoria, ciência e política).

Ir acumulando conhecimento sobre o fenómeno social conhecido por Trabalho Social e sobre a dimensão pedagógica deste (Radl, 1984; Kisnerman, 1985; Alayon, 1981 citados por Sáez, 1997).

A Pedagogia Social como uma das áreas no campo, do Trabalho Social, envolve-se numa serie de especialidades que na classificação de Quintana são os seguintes:
A atenção à infância com problemas (abandono, ambiente familiar desestruturado...); atenção à adolescência (orientação pessoal e profissional, tempo  livre, férias...); atenção à juventude (política de juventude, associacionismo, voluntariado, atividades, emprego...); atenção à família em suas necessidades existenciais (famílias desestruturadas, adoção, separações...); atenção à terceira idade; atenção aos deficientes físicos, sensoriais e psíquicos; pedagogia hospitalar; prevenção e tratamento das toxicomanias e do alcoolismo; prevenção da delinqüência juvenil. (reeducação dos dissocializados); atenção a grupos marginalizados (imigrantes, minorias étnicas, presos e ex- presidiários); promoção da condição social da mulher; educação de adultos animação sócio-cultural.

Reflexão:
Cada vez mais se pode concluir que a Pedagogia Social é uma necessidade aplicável às sociedades, e a Pedagogia Social numa, (perspectiva clássica) surge em paralelo com as outras especialidades dentro da pedagogia geral. Corresponde a uma “teoria da educação social”, tendo por objecto atingir a maturidade social do indivíduo.
A Pedagogia Social, como teoria da acção educativa da sociedade exerce influências educativas quer individuais (pais, professores e outros) quer colectivas (media, grupos sociais, etc. …).
Assim, Quintana, (1984) definiu a Pedagogia Social como a ciência do Trabalho Social: um sistema de teorias científicas, tecnologias e teorias tecnológicas sobre fenómenos ou classes de fenómenos que correspondem ao conceito de educação terciária (educação terciária, educação da reinserção social, tendo um carácter correctivo de reinserção em pessoas com problemáticas de socialização).

Referencias Bibliográficas:
- ALTET, M. (1997). AAS Pedagogias da aprendizagem. Instituto Piaget, Portugal.
- CLAPAREDE, E. (1940), Psicologia da criança e Pedagogia experimental, Rio de Janeiro.
- MACHADO, E. (2008). A pedagogia Social: Diálogos e Fronteiras com a educação não-formal e educação sócio comunitário.
- QUINTANA CABANAS, J.M. (1998). Pedagogia Social. Madrid: Dykinson.

AUTORA: Sandra Afonso
sandra.a.granjo@gmail.com

1 comentário:

  1. E em Portugal existe emprego para estes Técnicos poderem por em prática os propósitos do curso?
    Porque razão há um desconhecimento grande por parte deste curso uma vez que é de grande importância a sua aplicabilidade?!

    ResponderEliminar